23 de junho de 2024

Câncer: tecnologia de CAR-T passará a ser feita no Brasil – Metrópoles

 Câncer: tecnologia de CAR-T passará a ser feita no Brasil – Metrópoles
Compartilhe


Metropóles
atualizado
O Brasil está mais perto de produzir os insumos necessários para a realização de terapias CAR-T, técnica que treina as células de defesa do próprio paciente para combater o câncer.
Na última quarta-feira (27/9), a Anvisa aprovou uma nova rodada de pesquisas com a CAR-T no Brasil. Os ensaios clínicos serão feitos com 81 voluntários nos próximos meses.
Além disso, a medida autorizou que parte dos insumos necessários para a realização da nova terapia sejam desenvolvidos no país.
A autorização permite ao Hemocentro de Ribeirão Preto, à USP e ao Instituto Butantan — que atuam em conjunto na pesquisa de CAR-T no Brasil — a criarem os insumos necessários para a realização dos procedimentos. Atualmente, a terapia depende que as células dos pacientes sejam levadas ao exterior para que as infusões sejam preparadas.

O Núcleo de Terapia Avançada (Nutera), localizado em Ribeirão Preto, atuará como fornecedor de insumos para as terapias celulares avançadas, como as células CAR-T.
“A fábrica é uma plataforma que permite manipular células geneticamente modificadas, como é o caso das células CAR-T. A fábrica foi construída em uma área pública, em um hospital que atende quase inteiramente pacientes do SUS. Começamos com o CAR-T19, mas há muitas pesquisas em curso e um futuro promissor pela frente”, afirma Dimas Covas, diretor do Hemocentro de Ribeirão Preto e coordenador da pesquisa, à Agência Fapesp.
Atualmente, a fábrica tem capacidade de produzir os  insumos necessários para atender 13 pacientes a cada 34 dias. “Ainda não dá conta de toda a demanda do SUS. Mas a nossa expectativa é que, em um ano, seja possível fazer 150 casos e ir escalonando esse número com o tempo”, afirma Diego Clé, diretor médico do Hemocentro de Ribeirão Preto e um dos pesquisadores envolvidos.
A terapia CAR-T modifica as células de desfesa do paciente em laboratório, de maneira a treiná-las para que combatam o câncer de forma personalizada. Nos testes realizados no Brasil, um paciente com câncer em fase terminal alcançou a remissão em apenas um mês.
Hoje as células dos pacientes precisam ser enviadas aos Estados Unidos ou à Europa para que essas modificações sejam feitas, o que encarece muito o custo do tratamento. Com a produção no Brasil, os custos vão cair e o acesso, aumentar.
Siga a editoria de Saúde do Metrópoles no Instagram e fique por dentro de tudo sobre o assunto!
Já leu todas as notas e reportagens de Saúde hoje? Clique aqui.
Todos os direitos reservados
Quais assuntos você deseja receber?
Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:
1.
Mais opções no Google Chrome
2.
Configurações
3.
Configurações do site
4.
Notificações
5.
Os sites podem pedir para enviar notificações
Você quer ficar por dentro das notícias de saúde mais importantes e receber notificações em tempo real?

source